Utilizador:
Senha:
Minutos para permanecer ligado:
Permanecer sempre ligado:

Esqueceu-se da senha?

 
Dec 06, 2021 - 23:05

Autor Tópico: Entrevista a ... (Personalidade Desportiva)  (Lida 11144 vezes)

filipaopereire

  • Global Moderator
  • Sr. Member
  • *****
  • Mensagens: 312
  • "Tudo vale a pena quando a alma não é pequena" FP
Re: Entrevista a ... (Personalidade Desportiva)
« Responder #10 em: 08.01.2010, 09:43 »


«O Benfica está muito forte no ataque» - Cristiano Ronaldo

Citar
Por Miguel Cardoso Pereira

Cristiano Ronaldo conversou com A BOLA e lançou 2010. Disse recentemente que queria ser considerado o melhor jogador de sempre. Mas o para sempre está muito longe ainda. Nos próximos cinco anos o que quer é estar sempre no pódio do FIFA World Player. E ser o melhor mais duas vezes. Pelo meio falou da Liga portuguesa, do seu Sporting...

- Quem o conhece bem já disse que o Cristiano ficou chateado por ter passado a segundo melhor do Mundo, atrás de Messi, ainda que publicamente tenha utilizado um discurso de compreensão. É verdade?
- Chateado é claro que fiquei. Não esperava ganhar este ano, porque o Messi ganhou tudo com o Barcelona e individualmente esteve também a um óptimo nível. Foi uma distinção natural e merecida. Ganhei o prémio de melhor golo - e que grande golo foi, claramente um dos melhores que já marquei -e a inclusão no melhor onze do ano. E o próprio segundo lugar, é bom não esquecer, não é propriamente um prémio menor. Estamos a falar dos melhores futebolistas do Mundo.

- - Sabia que se tornou, juntamente com Messi, apenas o terceiro jogador de sempre a estar em três pódios consecutivos do prémio de Melhor Jogador do Mundo?
- Não, não sabia. Quer isso dizer que se para o ano conseguir ficar outra vez no pódio será fantástico. Aliás, partindo do princípio que tudo me correrá bem, claro, que não terei lesões ou outros contratempos, tudo me leva a acreditar que nos próximos cinco anos de carreira estarei sempre entre os três melhores jogadores do Mundo. E a minha expectativa é, nesse período, ser reconhecido como o melhor pelo menos mais duas vezes. É uma das minhas metas.

- - É esse, então, o caminho para se tornar o melhor jogador de sempre de futebol, o mais premiado e reconhecido?
- Nunca alguém sabe os caminhos que tem de seguir até eles aparecerem. Mas esse é, pelo menos, o que eu quero seguir, o meu desejo. A minha carreira tem um sentido e o meu percurso também. Ganhei tudo no Manchester United, quero ganhar tudo no Real Madrid e ninguém pode duvidar que esta pretensão não seja compreensível. É algo que eu quero e não é propriamente um sonho, uma coisa distante, é algo que posso alcançar com o meu trabalho, com a ajuda das pessoas que gostam de mim e que comigo trabalham no clube e na Selecção Nacional, claro.

- - E o que prevê para a Selecção Nacional e até que ponto a vitória de Portugal num Campeonato do Mundo ou Campeonato da Europa será importante para esse seu reconhecimento como o melhor jogador de sempre?
- É claro que será importante. Sonho muito com isso, com a possibilidade de ganhar uma grande competição por Portugal, toda a gente o sabe, já o disse antes. Já estivemos muito perto no Europeu de 2004, em Portugal. Já chegámos a um quarto lugar no Mundial da Alemanha. Mas queremos sempre mais, claro.

- - Tem acompanhado a Liga Portuguesa esta temporada?
- Acompanho claro. Vejo alguns jogos quando posso e verifico sempre os resultados e as principais notícias. Este ano o campeonato português está muito mais equilibrado, é difícil dizer quem vai ganhar.

- - Se apostasse num vencedor...
- Não sei. Quer dizer, o FC Porto ganhou os últimos quatro campeonatos, no início da época era claramente o favorito. Mas toda a gente tem visto que o Benfica este ano está mais forte, que se reforçou muito bem, tem jogadores que mudaram a equipa e a tornaram muito mais equilibrada. O Benfica está muito forte no ataque, sector onde tem óptimas opções. E tem um treinador novo que também trouxe mentalidade talvez um bocadinho mais agressiva. E há ainda o Braga. O Braga ainda está em primeiro não está?

- - Sim, com os mesmos pontos do Benfica, mas em primeiro. Acha que o Sp. Braga pode lutar pelo título até final?
- Nos dias de hoje é imprudente dizer que alguma equipa não tem possibilidades de vencer o que quer que seja. Todos os anos vemos surpresas em todo o lado, equipas teoricamente mais fracas, ou pelo menos sem historial nas provas, a chegarem-se à frente, a baterem o pé. E às vezes a ganhar. Em Portugal aconteceu isso com o Boavista. Quem sabe se este ano não acontece com o Sp. Braga?

- - E o Sporting. O seu Sporting, afinal, que lhe tem parecido?
- Não tem corrido tão bem. Benfica está ao nível do FC Porto este ano. O Sporting infelizmente não e tem de melhorar. Agora reforçou-se, mas já está a distância considerável. Mas vai ser certamente uma equipa mais forte até final da época, parece-me.

- - Que lhe tem parecido o trabalho de Carlos Carvalhal no lugar de Paulo Bento?
- Sinceramente não conhecia muito bem o Carlos Carvalhal. É a sua primeira experiência num clube grande, mas está certamente a fazer o seu melhor, a introduzir algumas alterações na equipa. Espero que seja bem-sucedido nessa tarefa.


CUMPS FILIPAO ;)

TVTUGA FORUM

Re: Entrevista a ... (Personalidade Desportiva)
« Responder #10 em: 08.01.2010, 09:43 »

rotciv

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 251
  • "Vivo da vontade de fazer Historia"
Re: Entrevista a ... (Personalidade Desportiva)
« Responder #11 em: 15.01.2010, 12:25 »



Ricardinho: "Gosto muito do Benfica, mas no final da época é altura para mudar"


Citar
Grande ausente da selecção nacional que disputa na próxima semana o Europeu de futsal, Ricardinho, o melhor jogador português, dá conta da desilusão e dos planos para o futuro. Passar para o futebol de onze ainda é objectivo

Esta entrevista começou a ser feita antes da sua lesão e quando ainda estava no grupo de convocados para o Campeonato da Europa de futsal. Na altura dizia que era seu objectivo ser eleito o melhor jogador da Europa. Como é que reagiu à desilusão?

Quando, há uma semana, fui fazer um exame e me disseram que corria o risco de piorar a minha situação clínica se participasse no Campeonato da Europa, percebi que só havia uma decisão a tomar - sair e dar o lugar a outro que, estando em melhores condições, pudesse ajudar a selecção nacional. Foi uma decisão muito dolorosa, que tomei com a ajuda dos responsáveis do Benfica e da selecção. É mais um Europeu que falho, é tristíssimo, mas ser eleito o melhor jogador da Euro-pa e do mundo continua a ser o meu objectivo e penso que terei outras oportunidades para o conseguir.

Teve apoio psicológico?

Aproveitei logo o fim--de-semana para estar com a minha namorada, longe de tudo, mas é difícil porque mal abro um jornal vejo que os meus companheiros continuam a preparação para o Europeu e é triste estar de fora, sem poder participar e ajudar. O Benfica tem-me dado muito apoio, está a ajudar a recuperar-me, quer física quer psicologicamente, e num ponto os dirigentes têm razão - participar num Europeu em má condição não aproveita a ninguém, nem ao atleta nem à equipa. Podia mesmo deitar a perder toda uma época e eu ainda tenho muito para ganhar este ano.

Se recuperar até ao dia 22, acha que a situação poderá ser reavaliada e ser chamado de novo?

Os dirigentes do Benfica e da selecção tiveram uma conversa na qual não participei e nada me disseram sobre essa possibilidade. Penso que me estão a tentar proteger de mais uma expectativa.

Perde o Europeu e a selecção perde o melhor jogador?

Não, Portugal tem excelentes jogadores, mas é um golpe duro para as duas partes. E quem perde mais sou eu.

Antes da lesão, acreditava que a selecção poderia chegar à final. Continua a fazer essa previsão?

Sim, acredito que tem capacidade para isso. Gostava muito de uma final contra a Espanha.

Não prefere a Itália, tendo em conta a polémica que envolveu as duas selecções no Mundial do Brasil?

Essa polémica deve ser tida como águas passadas. Devemos fazer de conta que não se passou nada e, se for o caso de jogarmos contra eles, dar uma grande resposta dentro de campo.

Qual vai ser o jogo mais difícil para Por-tugal nesta primeira fase?

Estão três equipas a disputar duas vagas e se queremos ser grandes não podemos perder nenhum de-les. O jogo mais difícil será com a Espanha [a Bielorrússia é o outro adversário do grupo].

O que nos falta para sermos uma potência, como são Espanha, Rússia ou Itália?

Pormenores, mas que são decisivos. O crescimento da modalidade tem sido notório.

Para melhor jogador do torneio aposta em quem?

Como disse, apostava em mim. Pelo menos contava estar no lote da UEFA para ir a votação. Assim, aposto no Arnaldo Pereira, o nosso capitão.

Desportivamente, como se define?

Tenho evoluído muito em termos defensivos e técnicos e, sobretudo, nos aspectos colectivos, porque se, por um lado, as equipas precisam de elementos capazes de resolver um jogo e de encher pavilhões, também é certo que todos os jogadores devem trabalhar tendo em visto o colectivo. Penso que a minha melhor característica é conseguir escolher em poucos segundos a melhor opção para desequilibrar o adversário. Mas sou também um dos jogadores que mais assistências fazem, não sou egoísta.

Considera-se o melhor português de sempre no futsal?


Não. Dizem-me que Seninho foi um fora-de-série e também gostava muito do Gil, um brasileiro que jogava na selecção portuguesa. Mas espero ser considerado um dia o melhor. Em termos de clubes, já ganhei todos os títulos nacionais pelo Benfica.

Estrangeiros naturalizados na selecção - é a favor ou contra?

Nesse aspecto estou do lado do [José] Mourinho, quando ele diz que um dia será campeão do mundo só com portugueses. Cada jogador deve jogar pela sua nação de origem. Temos de dar valor e incentivar os jovens. Veja-se a selecção de Itália, por exemplo, que tem imensos brasileiros. No Mundial, só usou jogadores de origem brasileira e nos sub-21 já vão pelo mesmo caminho.

Já ganhou os títulos todos pelo Benfica. Não está na altura de procurar outros desafios?

Sinceramente, sim. E já abordei esse assunto com os dirigentes do Benfica. Não estou cansado de ganhar nem estou cansado do clube, mas está na altura de mudar de ares. Chegou a altura, seja para que campeonato for. Será uma forma de me obrigar a outros desafios, ganhar outros títulos, mais dinheiro e abrir portas a outros jogadores. Gosto de estar nas bocas do mundo.

"Seja para que campeonato for"?

Sim, não tenho preferência. Já tive, sobretudo pelo espanhol, mas, neste momento, a Liga espanhola já não é o que era. Desde que seja uma liga competitiva, serve. Nem que seja, como disse, para abrir portas para outros jogadores.

Pensa sair então no final da época?

Sim, se acontecer, só poderá ser nessa altura. O Benfica conseguiu chegar pela primeira vez a uma fase final da Final Four UEFA Cup, que se disputa entre as quatro melhores equipas da Europa, e faço questão de estar presente na prova.

Disse antes da lesão que esperava muito de 2010, tanto mais que dez é o seu número da sorte. Mantém a mesma convicção?

Contava ir ao Europeu, jogar a final, ser escolhido como o melhor da Europa. Isso já não vai acontecer. Mas este ano ainda espero ganhar a Final Four, todos os títulos nacionais e abrir novas portas à minha carreira. Continuo optimista.

É o segundo Europeu que falha por lesão…

Sim, o primeiro foi em 2000, o ano em que vivi os piores momentos da minha carreira e que, espero, não se repita. Parti a tíbia e perdi um Europeu e um Mundial.

Apesar de querer ir para outros campeonatos, renovou com o Benfica até 2014. Está nas mãos do clube…

Não devemos ter medo disso. O clube gosta de ganhar títulos e estando na Final Four será recompensado financeiramente. Mas os dirigentes também sabem que não podem ter um atleta para sempre. No meu contrato havia uma proposta de rescisão de 500 mil euros, valor muito elevado para um jogador de futsal. Pedi que fosse reduzida para metade e eles aceitaram.

O campeonato português é competitivo?

O Benfica, o Sporting, o Belenen-ses e o Freixieiro têm equipas muito competitivas. É pena o FC porto não entrar no campeonato. Seria muito interessante e aumentaria seguramente a emoção da prova e o crescimento da modalidade.

É verdade que foi membro da claque portista Super Dragões?

Não, isso não é verdade. Não escondo que sou portista, nasci em Gondomar e quando eu era miúdo o FC Porto ganhava tudo. Isso é motivador para uma criança. Mas no que diz respeito às modalidades sou completamente benfiquista. Além do mais, sou profissional.

Nasceu em Gondomar. Como é que foi parar ao Benfica?

Porque me tornei amigo do André Luís. Ele sempre me disse que eu tinha valor para jogar no Benfica e que ia aconselhar o meu nome ao clube. Nessa altura estava no Miramar, a nível colectivo, o ano não correu muito bem, mas a nível individual, sim. No final, fui para o Benfica ganhar 3000 euros. Para um miúdo de um bairro social é mais do que um bom ordenado, é a sorte grande.

Estudou até que ano?

Até ao 10.º ano. A família tinha dificuldades, o meu pai estava desempregado e, portanto, não pude estudar mais. Mas encontrei na escola muita ajuda. A professora Carolina Silva, por exemplo, foi fundamental. Mais tarde, quando fiz a escolinha [de futsal] para os miúdos, foi também a pensar nela. A escola tem um patrocinador que paga a mensalidade das crianças mais desfavorecidas e os outros pagam 20 euros por mês. Todos recebem um kit completo e personalizado da Nike, que é o meu patrocinador.

E já passaram pela sua escola miúdos promissores?

Já se encontram alguns com muito jeito. Aliás, vão aparecendo bons jogadores, sinal de que se está a apostar na forma-ção. O grande problema é que depois os olhos dos treinadores só brilham quando ouvem nomes de brasileiros.

E também já recebeu muitas crianças sem qualquer vocação?

Pois, e essa é a parte pior. Dizer a uma criança que não tem vocação para o futsal é muito difícil. E dizer o mesmo aos pais não é mais fácil. Por vezes ainda é mais complicado.

Tem também uma marca de roupa…

Sim, é uma marca registada, eu próprio escolho as peças. Abri duas lojas - Gondomar e Santarém - que estão a ter grande sucesso.

O jogador brasileiro de futsal Fal-cão é o seu ídolo. No último Mun-dial, já eleito o melhor jogador do mundo, fez-lhe vários elogios. Prometeu na altura que tatuaria o nome dele no pé. Tatuou?

Prometi e cumpri. Fiz a tatua- gem no gémeo, com uma bola de futsal e o nome dele. Quando me tornar jogador de futebol, farei a do meu outro ídolo, Diego Maradona.

O futsal é o futebol dos "pequenos"?

Houve tempo em que era considerado futebol de segunda, mas agora não. O futsal é muito exigente. O jogador de futebol não está sempre em jogo. Nós estamos - há jogos em que se marcam golos de três em três segundos. Temos de aliar a velocidade a uma enorme capacidade técnica. Daí a necessidade de treinos bidiários. Treina-se mais do que no futebol de onze. No futsal, a má forma e a falta de técnica não se disfarçam. Já no futebol… Penso até que não faria mal nenhum a alguns jogadores de futebol um estágio de pré-época com uma equipa de futsal. Olhe, eu adorava poder fazer o contrário.

Ainda não perdeu o sonho de ser jogador de futebol?


Não, gostava de ser uma estrela no futebol, e sempre que vou ao Seixal [centro de treinos da equipa de futebol do Benfica] fazer tratamento fico com mais vontade. Gostava imenso. O futebol é um mundo à parte.

Acha que poderia jogar no Benfica?

Quando o treinador era Fernando Santos, essa hipótese foi levantada e estava até a tratar-se do assunto. Mas entretanto a comunicação social começou a falar disso e gorou a possibilidade. No ano passado recebi propostas de dois clubes da II Divisão e de um da I Liga. Mas em todas elas ia ganhar metade do que ganho no futsal e ainda não tenho estabilidade financeira que me permita prescindir de metade do meu salário.

Já se arrependeu?

Há dias em que sim. Penso nisso e pergunto-me se não teria feito bem em arriscar, se não perdi um mundo de oportunidades. Mas a diferença era mesmo muito grande. Estamos a falar de mais de 5 mil euros. Se fossem 200 ou 250 teria arriscado.

Acha que poderia destacar-se no futebol de onze?

Claro. Sei que poderia vingar. Confio em mim. Sou capaz de me adaptar e aprender rapidamente.

rotciv

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 251
  • "Vivo da vontade de fazer Historia"
Re: Entrevista a ... (Personalidade Desportiva)
« Responder #12 em: 18.01.2010, 14:50 »




Hélder Rodrigues
"Lutei todos os dias por um lugar na frente e chego ao fim contente com o meu rali"


Citar
Português mais bem classificado de sempre na geral das motos do Rali Dakar obteve este ano o quarto lugar e compete também em campeonatos de 'enduro', modalidade que considera ser um complemento dos ralis. No próximo ano promete regressar ao Dakar.

Apesar de não ter cumprido o seu objectivo de chegar ao pódio do Rali Dakar 2010, está feliz com o quarto lugar que obteve?

É assim... fiquei contente. O meu objectivo era chegar ao pódio e fazer melhor do que o quinto lugar, que era o meu melhor resultado, e isto consegui. Estive em segundo da geral, lutei todos os dias por um lugar na frente. Portanto, mesmo sem o pódio, considero a minha participação muito positiva.

Já teve a experiência de participar no Rali Dakar em África e na América do Sul. Quais são as grandes diferenças?

Para nós, das motos, o pó é o principal problema. Não me adapto bem ao pó, por isso aqui as dificuldades são maiores. Em África não temos esse problema do pó. Mas as paisagens aqui são mais bonitas do que em África.

Como é o ambiente que rodeia o Rali Dakar na América do Sul?

Isto é uma loucura de gente. São milhares de pessoas a ver o rali. Fizemos 300 quilómetros para chegar a Buenos Aires e estava sempre muita gente. Estou feliz por ter chegado a Buenos Aires. Quando partimos para um rali, gostamos sempre de chegar ao fim, o que significa que concretizámos o nosso objectivo.

Após a participação no Dakar, já tem alguma prova na agenda?


Tinha um campeonato de enduro no próximo fim-de-semana, mas não vou. Antes do Dakar, trabalhámos muito, e agora vou descansar uma semana. Depois vou voltar à luta, para regressar ao Dakar no próximo ano.

Vai continuar a participar em provas de enduro e em ralis?

Claro. Gosto muito de enduro, direi que é um complemento dos ralis. Quando cheguei aos ralis já tinha a experiência de dez anos de trial e enduro. Nos ralis demoramos mais tempo a conseguir os nossos objectivos. É preciso ter mais experiência.

Em quantas edições do Rali Dakar participou?

Esta foi a quarta participação. Em, 2006 fui nono, em 2007 quinto, em 2008 o rali não se realizou porque foi anulado, e em 2009 fui novamente quinto classificado.

Marc Coma queixou-se da falta de companheirismo de Cyril Despres. Os pilotos dão-se bem?

O Cyril é um pouco difícil. Dou- -me bem com o Coma, com o "Chaleco" López, com o Ulleval-seter... Na pista, durante a corri-da, lutamos, fora da corrida te- mos uma relação quase de ami-zade.

TVTUGA FORUM

Re: Entrevista a ... (Personalidade Desportiva)
« Responder #12 em: 18.01.2010, 14:50 »

rotciv

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 251
  • "Vivo da vontade de fazer Historia"
Re: Entrevista a ... (Personalidade Desportiva)
« Responder #13 em: 20.01.2010, 13:34 »



«Jesus no Benfica? Foi feita justiça a um grande treinador» - Manuel Cajuda

Citar
Manuel Cajuda aceitou o desafio de dar uma entrevista diferente. Desta vez, o treinador do Sharjah, dos Emirados Árabes Unidos, responde às perguntas dos leitores de A BOLA.pt. Chegaram centenas à redacção. Nem todas puderam ser escolhidas. A todas Cajuda respondeu com um sorriso. Voltando a dizer que é benfiquista, o técnico confessou estar a vibrar com as águias esta temporada.

- O que sente quando vê o Jorge Jesus com o sucesso que está a ter no Benfica. Sente pena de não estar lá ou sente-se contente como os milhões de Benfiquistas?
Mário Pinto, Benfica


- Sinto que foi feita justiça a um grande treinador do futebol português e sinto que o Benfica tem, esta época, grandes condições para ser campeão. O sucesso de Jorge Jesus é o sucesso de um treinador que trabalhou para isso, durante muitos anos e que agora está a ser recompensado por isso. Não posso dizer que tenho pena de não ser o treinador do Benfica, porque o Benfica está a ganhar, está a entusiasmar e a confirmar-se como grande candidato ao título. Noutros anos é que podia sentir pena de não ser treinador do Benfica, quando vi colegas meus no clube, pouco identificados com a realidade nacional cometer erros que eu não cometeria. Nessa altura, sim, tive pena de não ser treinador do Benfica. Porque eu sentia que podia fazer melhor. Agora, o Benfica está bem e tem um grande treinador. E sinto-me contente com o sucesso do Benfica, claro. E também lhe digo que, há uns anos atrás, deitei pela janela fora, a possibilidade de treinar o Benfica. Porque não gostei da maneira como a abordagem me foi feita. Estava no hotel, em estágio com a minha equipa e uns emissários do Benfica pediram para subir ao meu quarto, às três da manhã, colocando-me a hipótese de vir a ser o treinador do Benfica. Não aceitei. E continuei a ser o mesmo treinador. Assim como deitei fora a possibilidade de ser treinador de um outro grande clube português, porque me recusei a sair de minha casa de Braga para ir a um jantar com o presidente desse clube, jantar para o qual não tinha sido previamente convidado. Entendi que se quisessem falar comigo, devia ser ele a vir ao meu encontro e não o contrário. Portanto, que fique claro, de uma vez por todas. Nunca me deixarei cegar pela ambição de treinar um dos maiores clubes do futebol português. Nenhum clube, nenhum presidente, mudarão a minha personalidade.

- Qual foi para si o pior presidente que teve? E conte uma das histórias por que passou.
João Grade, 29 anos, Torres Vedras, Benfica


- Prefiro dizer que tive grandes presidentes, durante a minha carreira, e tive, também, grandes desilusões. Exactamente por terem sido os piores presidentes que apanhei, não gostaria de lhes dar essa publicidade, porque, sinceramente, acho que não a merecem. Foram poucos, talvez dois deles, que gostaria que não se tivessem cruzado comigo.

- De entre todos os clubes por onde passou, há algum que se arrependa de ter treinado? Porquê?
Anabela Soares, 34 anos, Faro, Belenenses


- Nunca me arrependi de nada. Mas acho que posso dizer que apanhei projectos que foram arriscados e que foram quase decisões de insensatez minha aceitá-los. Já falei do Belenenses, porque era muito arriscado treinar o clube, naquelas condições, o Beira-Mar também foi um risco enorme. Mas não me arrependo de ter treinado esses clubes. Sinto grande carinho por eles, o Belenenses é um histórico do futebol português e o Beira-Mar é, claramente, um clube de primeira divisão. Tem dificuldades, mas tem história. Felizmente, não tive, em toda a minha carreira, muitos casos de insucesso desportivo. O Belenenses e o Beira-Mar foram, claramente, duas excepções que confirmam uma regra de sucesso na minha carreira.

«Seria grande orgulho treinar o Sporting» - Manuel Cajuda

Citar
Manuel Cajuda foi apontado como sucessor de Paulo Bento no Sporting. Ficou nos Emirados Árabes Unidos, mas honrado com as notícias. Muito haveria a perguntar-lhe. Os leitores de A BOLA colocaram questões e o técnico, sem papas na língua, satisfez-lhes a curiosidade. Viaje com os leitores e Cajuda numa viagem pelos clubes que o algarvio treinou...

- Tendo um currículo cheio de sucesso, a pessoa bestial que é, e por isso sendo sempre alvo de grandes elogios por onde passa, sente que não lhe é reconhecido o devido valor por parte dos "Grandes" de Portugal? Ou melhor, não sente que está na hora de Manuel Cajuda treinar um Porto, Sporting ou Benfica?
Jorge Nuno Costa, 20 anos, Leça da Palmeira, Leça Futebol Clube


- Para mim os Grandes de Portugal são os clubes que treinei. Esses são os meus Grandes de Portugal, porque foram aqueles que apostaram em mim. E, em certas situações, foram mesmo Grandes. Os outros são clubes, maiores ou mais pequenos, são os clubes que eu nunca treinei. O que mais me interessa não é o valor que alguns clubes já me podiam ter dado e não deram. Interessa-me, sobretudo, o valor que me foi dado pelos clubes que me contrataram. Digo uma coisa. Posso acabar a minha carreira de treinador sem chegar ao Benfica, ao FC Porto ou ao Sporting, que isso não vai deixar nenhuma mancha no meu currículo. Até porque já tive a possibilidade de treinar esses clubes, e isso sim, é que conta para mim. E conta também saber que foi a minha maneira de ser que adiou sempre esse desfecho. Não sei se está na hora de treinar um desses clubes que citou. Para mim, está na hora de treinar o Sharjah e se algum dia, um desses clubes, achar, de novo, que está na hora de eu ser o seu treinador, teremos de esperar para ver. Porque, existe também a possibilidade de eu achar que já passou a hora.


- Depois de levar o Vit. Guimarães da II Liga à Liga dos Campeões, sentiu-se injustiçado pela forma como saiu?
João, Guimarães

- Tenho enorme respeito pelos adeptos do Vitória de Guimarães, especialmente por aqueles que reconhecem o trabalho que realizei no clube. Cheguei ao Vitória num dos momentos mais dramáticos da história do clube, não apenas consegui evitar que o Vitória descesse à Segunda B, como ainda consegui ajudar o clube a regressar à Liga Sagres. No ano seguinte, fiz a melhor classificação de sempre do Vitória no campeonato e, de repente, muita gente esqueceu tudo isso. Espero que sejam felizes, espero que o clube tenha sucesso. Não gosto de ingratidão, por isso, não serei nunca ingrato com o Vitória, que me deu algumas das maiores alegrias desportivas da minha vida. Gostava, no entanto, que as pessoas não esquecessem facilmente o que fizemos em conjunto. Claro que me senti injustiçado, mas não quero aprofundar muito o assunto.

- Qual o seu sentimento em relação ao Vit. Guimarães? A frase que proferiu: "Sou do vitória até morrer" mantém-se?
Ana Lúcia Lourenço, 22 anos, Guimarães, V. Guimarães


- Não sou hipócrita. Nunca fiz essa declaração para sair bem na fotografia em Guimarães. As pessoas que conhecem sabem que não preciso de truques para estar no futebol. Eu disse o que me ia na alma. E sim, serei do Vitória até morrer. Como serei dos outros clubes por onde passei, até morrer. Todos eles me deram alegrias que jamais esquecerei. Todos eles me ajudaram a ser o treinador que sou. Todos, sem excepção. Serei do Vitória até morrer, apesar da incompreensão de alguns adeptos e do comportamento de algumas pessoas. Gosto muito do Vitória, gosto da cidade. É um clube especial e será sempre, porque tem adeptos especiais. Como a Ana Lúcia. É muito bonito poder dizer até morrer que sou do Vitória.

- Num ano em que se falou do interesse do Sporting na sua contratação, não acha que a sua ligação sentimental ao Benfica lhe prejudicou a sua carreira, nomeadamente em Portugal?
Nuno Torres, Lisboa, Sporting


- Acho piada ao argumento de que não posso ser treinador do Sporting ou do FC Porto, porque sempre me assumi como benfiquista. Quando o Jesualdo Ferreira chegou ao FC Porto, também era portista desde pequenino? E ganhou três títulos consecutivos. E ganhou bem, porque é um treinador competente. E agora, ponho a questão do seguinte modo. Acho que todos reconhecem que o actual treinador do Benfica é menos benfiquista do que eu. E, no entanto, é ele o treinador do clube e não eu. E bem, porque está a confirmar o seu valor e a realizar um trabalho de grande valia. A ligação sentimental ao Benfica não deve prejudicar a minha carreira, porque todos sabem que sou profissional. Sou dos treinadores em Portugal, fora dos três maiores clubes do nosso futebol, com mais vitórias sobre o Benfica. No Braga e no Vitória consegui melhores classificações que o Benfica. Onde é que está a dúvida? Sou profissional, sou treinador e não sinto que o meu benfiquismo me possa roubar uma parte do meu profissionalismo. Não aceito que se diga que não posso treinar o FC Porto ou o Sporting por causa do meu benfiquismo. Porque não é isso que está a ser julgado.

- Teve alguma proposta do Sporting para substituir Paulo Bento? Trocaria o Dubai pelo Sporting Clube de Portugal?
José Vale, Braga, 16 anos, Sp. Braga


- O que se passou, durante essa fase, em que foi noticiado o alegado interesse do Sporting em mim, vai permanecer para mim e para um círculo restrito de pessoas que sabe o que se passou. Colocando-me a pergunta desse modo, se troco o Dubai pelo Sporting, digo-lhe que nunca poderei tomar essa decisão sozinho. Porque, mesmo que essa possa ser a vontade do Sporting e a minha, existe uma terceira parte e existe um contrato com essa parte. Mas não fujo à sua questão. Seria, para mim, motivo de grande orgulho, um dia, ser treinador do Sporting. Grande clube, grande equipa e possibilidade de lutar por títulos. Só de se ter falado dessa possibilidade de eu vir a ser o treinador do Sporting, isso dignificou-me como treinador e honrou-me como homem. Mais do que isto não digo, caso contrário, acham que estou a oferecer-me ao Sporting. E eu, mesmo que quisesse, não podia fazê-lo, porque tenho contrato com o Sharjah e estamos, actualmente, a discutir a possibilidade de o renovar.

- Deu-lhe algum gosto especial treinar a Naval? O que sentia ao ver os miúdos das camadas jovens a treinarem-se no pelado sem qualquer tipo de condições?
Rafael Pedrosa, 23 anos, Figueira da Foz, Naval

- Claro que senti um gosto enorme em treinar a Naval. Trata-se de um bom clube, de boa gente, com um presidente de quem sou amigo, que me tratou bem. Acompanho o seu crescimento, desejo que se mantenha a crescer, porque é um clube importante da região Centro do país. A descentralização do futebol, em Portugal, passa muito por clubes como a Naval. O que eu sentia ao ver os mais jovens a treinar sem grandes condições, era o mesmo que sinto, ainda hoje, quando vejo que o meu país ainda não deu um salto qualitativo ao nível das condições do treino e até da prática do futebol. Estamos sempre a dizer que somos um país do futebol, mas depois não oferecemos aos nossos jovens, boas condições para que eles possam praticar o futebol convenientemente. Não há equipamentos, campos pelados, treinadores sem formação e a pressão dos pais. Não se pode ter bons prédios, quando os caboucos são mal feitos. Um país do futebol é a Inglaterra, onde os campos de futebol multiplicam-se e a prática do futebol está massificada, porque existem muitos campos de futebol. Cada localidade tem vários campos de futebol. Isto sim, é um país do futebol.

- O que falhou quando treinou o Belenenses? Acredita que um dia voltará a treinar o clube?
Mário Serra, 42 anos, Aveiro, Belenenses


- O Belenenses é um dos clubes em Portugal a que dificilmente se diz que não. E justamente porque não é fácil dizer que não ao Belenenses é que aceitei treinar no clube em condições muito desvantajosas. Quando cheguei ao Belenenses, identifiquei os problemas do clube e percebi logo que estavam reunidas todas as condições para tudo correr mal. Mesmo assim, fui. Foi um erro de gestão de carreira, mas fi-lo conscientemente, porque era o Belenenses. Sempre sonhei treinar o Belenenses. E o que é verdade é que hoje posso dizer que fui treinador do Belenenses. E isso é motivo de orgulho. Acredito que um dia será possível regressar ao clube, se for esse o interesse dos dirigentes do clube e se eu estiver em condições de aceitar esse regresso. Porque, agora, não voltaria a cometer o mesmo erro, porque já fui treinador do Belenenses, já não precisaria de correr atrás desse objectivo. Quase posso dizer que tenho uma dívida de gratidão que gostaria de pagar ao Belenenses.

- Faz parte dos seus planos regressar ao Olhanense?
Pedro Sancho, 30 anos, Olhão, Olhanense

- Conseguem imaginar o que seria, para mim, voltar a treinar o Olhanense? Não conseguem. O Olhanense, para mim, é muito mais do que um clube. É a minha ligação às origens, à minha terra, à minha infância, aos meus amigos, à minha família. Faz parte dos meus planos regressar a Olhão, para treinar o Olhanense. Mas não agora. Olhe, do mesmo modo que o José Mourinho diz que gostava de terminar a carreira a treinar a selecção, eu não consigo imaginar melhor final de carreira para mim, do que treinar o Olhanense.


- Porque apurou o Sp. Braga para a Taça UEFA e depois não continuou no clube?
Tomás Miguel Pereira

- Porque senti que o mais importante estava alcançado, que era colocar, de novo, o Braga, no contexto europeu. Vinte anos depois, o Braga estava na Europa. Isso era mais importante do que o Manuel Cajuda ir à Europa. Teria gostado de estar com o Braga nas competições europeias, mas comecei a perceber que talvez não fosse o melhor para o clube, pois entendi os sinais que eram emitidos a partir do interior do clube. Arriscava-me a ser uma parte do problema em vez de ser uma parte da solução. Para mim era mais importante a ascensão do clube do que a minha ida à Europa. Felizmente, o clube seguiu o seu caminho e cresceu. Fui um dos seus principais iniciadores desse crescimento e isso basta-me. Sai do clube, deixando-o na Europa, vinte anos depois.

- Que recordações guarda dos tempos do Portimonense, dos portimonenses e de Portimão?
Dário Guerreiro, 20 anos, Portimão, Portimonense


- Foi a primeira equipa que treinei na primeira divisão e por isso, guardo grandes recordações, de um clube que queria crescer e que eu ajudei a ganhar uma dimensão diferente. E guardo a recordação de um grande dirigente, o presidente Manuel João, talvez o homem que tornou o clube num farol do desporto algarvio. Guardo a recordação de uma carreira ainda numa fase inicial, mas que me deu a expressão suficiente para me tornar num treinador de nível nacional e não apenas uma pequena referência do futebol algarvio. E sabe, tudo o que é Algarve na minha carreira, está num cantinho muito especial das minhas memórias, porque eu nunca esqueci que sou do Algarve, sou mouro, como costuma dizer-se. Como eu tenho saudades desse Portimonense.

- Aconteceu-lhe algumas vezes na sua carreira, ao acompanhar o percurso de Porto, Benfica ou Sporting, imaginar-se no lugar do respectivo treinador e pensar: "Eu fazia melhor!"?
Luís Miguel Duarte, 53 anos, Porto, FC Porto

- Várias vezes. Até cheguei a dizer, em várias ocasiões, que por metade do preço eu fazia igual ou melhor. Mas isso é normal. Também acredito que muitos dos meus colegas tivessem achado que podiam fazer melhor do que eu, nos vários clubes onde estive. É um desafio. Fazer melhor do que eu em Leiria, onde consegui a melhor classificação de sempre, e já depois do José Mourinho, fazer melhor do que eu no Marítimo, onde alcancei a melhor classificação dos últimos quinze anos, deixando o clube na Europa, fazer melhor do que eu e o Jesualdo no Braga, onde ambos conseguimos a melhor classificação de sempre do clube e mais do que uma vez e também no Vitória de Guimarães, onde coloquei o clube, pela primeira vez, à porta da Liga dos Campeões e igualando a melhor classificação de sempre. É um desafio para os outros treinadores, como será para mim, um dia que possa treinar um dos maiores clubes de Portugal. Porque, nesses clubes, para ser tão bom ou melhor do que os outros, tenho de ganhar tudo o que houver para ganhar. Só assim é que faz sentido treinar o Benfica, o FC Porto ou o Sporting. Tem de ser para ganhar tudo, pelo menos, em Portugal.


«A corrupção é transversal...» - Manuel Cajuda

Citar
Há ou não há corrupção no futebol português? Os leitores perguntaram e Manuel Cajuda respondeu. Sem saber de casos concretos, o popular treinador tem as suas desconfianças...

- Certamente sentiu-se muitas vezes prejudicado pelas arbitragens. Conte-nos qual foi a pior arbitragem que apanhou e se sentiu que estava a ser deliberada...
João Grade, 29 anos, Torres Vedras, Benfica


- Durante a minha carreira, senti, como todos os treinadores, que fui prejudicado e que fui beneficiado por erros de arbitragem. Eu gosto de acreditar nas pessoas, gosto de acreditar que, no limite, é tudo uma questão de competência ou incompetência. Há bons árbitros e maus árbitros. E há, de facto, situações em que somos quase empurrados pelas evidências, para a desconfiança. Continuo a acreditar nas pessoas e sobretudo aceito que ser árbitro não é fácil. Mas também se me dissessem que uma arbitragem tinha prejudicado a minha equipa deliberadamente, eu não ficaria chocado.

- Durante a sua carreira alguma vez entendeu haver casos de corrupção no futebol português ou temos uma liga transparente? Se sim julga que há apenas em favor dos clubes grandes ou também em favor dos clubes pequenos? Há arranjos com árbitros e entre clubes?
Nuno Pereira, 20 anos, Braga, Benfica


- O mundo vive rodeado de corrupção. O futebol não é diferente da política, da economia, da alta finança, do mundo dos negócios. Estamos cercados de corrupção. Acredito sinceramente que ela existe no futebol, em Portugal e no Mundo. Mas é muito difícil de provar. E a corrupção é transversal ao futebol, desde os clubes maiores aos mais pequenos. Aliás, a corrupção é mais fácil de existir nos pequenos clubes, em competições de médio interesse, porque não há tanta atenção mediática. Nunca presenciei um caso de corrupção, de outro modo teria informado as autoridades. Mas, claro, não sou anjinho, sei o que se passa, ou pelo menos, sei aquilo que muitos julgam saber que se passa.

«No Dubai os jogadores não discutem. Ouvem e tentam aplicar» - Manuel Cajuda

Citar
Manuel Cajuda vive no Sharjah, dos Emirados Árabes Unidos, mais uma experiência no estrangeiro. Passou pelo Zamalek do Egipto, mas vive uma realidade diferente num clube quase amador. Os leitores fizeram perguntas ao treinador. Ele respondeu. Veja aqui o resultado.

- O que acha do campeonato no Dubai? As equipas mais fortes daí tinham lugar na liga portuguesa? E a que nível? a qualidade de vida no Dubai é boa como dizem e a integração nessa cultura é fácil ou difícil?
Bruno Pereira


- No Dubai, o profissionalismo só existe há dois anos. Os jogadores verdadeiramente profissionais, nos Emirados Árabes Unidos, são os estrangeiros que se contratam e que apenas se dedicam ao futebol. Mas, também é preciso notar que o profissionalismo é quase impraticável nestes sítios. Pelo menos, na maior parte do ano. Muitas das nossas unidades de treino são realizadas às nove da noite, porque durante o dia as temperaturas oscilam entre os quarenta e os cinquenta graus. É impossível adequar o organismo humano, em esforço, a estas temperaturas. Treinamos todos os dias, ou quase todas as noites, mas, de facto, este é um profissionalismo diferente. Para ter uma ideia, a minha equipa tem nove polícias, que trabalham das sete da manhã às duas e meia da tarde. A qualidade de vida é óptima, no Dubai, o luxo é enorme e um estrangeiro, sobretudo se vier da Europa, confronta-se com uma qualidade de vida fantástica. A integração na cultura local tem sido fácil, porque não trazia preconceitos em relação à cultura, aos costumes e à religião. Não vim para impor nada, vim para ajudar o Sharjah a crescer e a tornar melhores os seus jogadores. Gosto da cultura, é diferente, mas sou muito bem tratado, as pessoas gostam de mim e eu retribuo o melhor que posso.

- Qual o maior desafio, em termos de treino - além da língua - que se encontra quando se abandona a Europa para ir treinar nas arábias?
Mauro Gonçalves


- O maior desafio, repito, é adequar os nossos conhecimentos a um meio específico de treino e de jogo completamente diferente do que estamos habituados. Treinar à noite, jogar à noite, muitas vezes em condições extremas de esforço, um calor insuportável. Tudo isto altera o nosso quadro mental sobre a aplicação da metodologia de treino. É curioso, tenho discutido isso com os meus colaboradores, apesar do ambiente geral de um profissionalismo ainda a gatinhar, o que é certo é que a metodologia de treino é muito importante, para criar efeitos positivos no treino e no jogo que atenuem as condições adversas que os jogadores enfrentam. Tem sido muito educativo e até experimental, em algumas situações, o tempo que levamos de permanência no Dubai. E que tem exigido de mim e dos meus colaboradores um trabalho que vai muito para além da preparação táctica da equipa e da operacionalização do treino e do nosso modelo. Sinto-me um estudante da ciência do treino e o Dubai tem sido o meu laboratório.

- Como se adaptou e como vive num país que em termos religiosos, culturais e sociais se distancia tanto do nosso? Quais as principais diferenças, também a nível futebolístico, entre Portugal e os Emirados Árabes Unidos?
Teresa, 28 anos, Viana do Castelo, Benfica


- Sinto-me muito bem no Dubai, como disse. Estou a gosto, os jogadores respeitam-nos, a mim e aos meus colaboradores e desde logo essa é a primeira diferença em relação ao futebol português em particular e aos ambientes de maior profissionalismo em geral. Os jogadores não discutem as opções dos treinadores. Os jogadores aceitam a existência de uma hierarquia, aceitam que no balneário existe um chefe e que o chefe é o responsável por todas as decisões. As boas e as más. Isto por um lado é cómodo para o treinador, mas pode ser traiçoeiro, porque nos dá a ilusão de que está tudo bem, quando pode não estar. Como treinador sempre defendi uma liderança partilhada com limites, porque num balneário, com um grupo tão heterogéneo de pessoas não se partilha a liderança. Mas a liderança não nos deve levar a uma redoma, de onde apenas saímos para dar ordens. É preciso escutar as pessoas, é preciso ouvir o que elas têm para dizer. Porque isso permite-nos conhecê-las melhor. E quanto melhor for o conhecimento que um treinador tiver sobre um jogador e a sua personalidade, melhores decisões vai tomar no futuro, relativamente a esse jogador e mesmo em relação ao grupo. No Dubai, os jogadores não discutem, ouvem e aplicam. Quero dizer, na maior parte das vezes, apenas tentam aplicar. Essa é uma diferença enorme em relação a Portugal e ao profissionalismo. De resto, o clima condiciona tudo o resto.

- É reconhecido principalmente por quem consigo privou que é um homem comunicativo, brincalhão mas também prudente. Estando tão longe do seu outro mundo (não o do futebol) de que mais sente saudade e se pudesse levava para aí?
Fernando Manuel Domingues, Figueira da Foz, 46 anos, Naval e Benfica


- Tenho saudades de quase tudo e de quase nada. Isto não é filosofia barata. Claro que tenho saudades dos meus filhos, dos meus netos, dos meus amigos. A minha mulher está comigo aqui, como sempre esteve em todo lado e toda a vida e sempre estará. Mas sim, falta-me o convívio com as pessoas de quem mais gosto. Tenho os meus colaboradores, o Nascimento, que não é um colaborador, eu costumo dizer que já é uma prótese que implantei na minha vida, porque não vou a lado nenhum sem ele, o Floris, o Fernando, um jovem treinador que conheci no Vitória de Guimarães e que vem da Universidade, o que demonstra que tenho sempre o cuidado de me actualizar como treinador e atento aos jovens valores que a universidade lança para o mercado de trabalho. Mas, depois, não tenho saudades de quase nada, especialmente do futebol português. Não tenho saudades dos truques, das pessoas sem carácter, da falta de escrúpulos, dos negócios paralelos que enfraquecem os clubes. E sobretudo não tenho saudades da incompreensão das pessoas e da ingratidão. O modo como eu sai do Vitória ainda está demasiado fresco para mim, para ter saudades do futebol português. Se eu pudesse trazia os meus amigos, todos para o Dubai, porque é um sítio espectacular para se viver.


- Em Portugal brinca dizendo que é marroquino. Nas arábias diz que é sueco? Consegue utilizar o seu humor no Dubai? Já viveu alguma situação caricata por causa das piadas que diz? Qual?
Francisco Torres, 39 anos, Madrid, V. Setúbal e Real Madrid


- Ainda não tenho nenhum episódio mais caricato, porque tenho sido muito cuidadoso na forma como me relaciono com as pessoas. As pessoas são muito simpáticas e por isso retribuo com simpatia. Mas sempre com muito cuidado, porque são pessoas de enorme sensibilidade e qualquer coisa mal dita ou dita num contexto diferente do correcto, pode ser a morte do artista. Sou português e digo com muito orgulho que sou português. E estou no Dubai para realizar um bom trabalho, qualificado, que a generalidade das pessoas daqui não conseguem fazer porque não têm a experiência de treino e de jogo que eu tenho. Saio, divirto-me, relaciono-me, mas sempre com um cuidado extremo para não dizer ou fazer nada que possa embaraçar-me ou criar mal-entendidos.

«Podia ter sido médico. Agrada-me ajudar pessoas» - Manuel Cajuda

Citar
Os leitores de A BOLA.pt mostraram originalidade nas perguntas feitas a Manuel Cajuda. Saiba aqui um pouco mais sobre um dos melhores treinadores portugueses.

- Se não fosse treinador que profissão teria escolhido?
Nuno Isidoro


- Teria sido engenheiro ou médico. Especialmente médico, porque agrada-me a ideia de ajudar pessoas.


- Qual foi a situação mais caricata que aconteceu na sua carreira enquanto treinador?
Tiago Silva, 17 anos, Oeiras, Benfica


- Mais do que caricata, foi chocante. Um director de um clube ter alegadamente pedido dinheiro a um jogador, por o ter ajudado a fazer contrato com esse clube. Uma espécie de comissão. Incrível. Mas há gente desta no futebol português.


- O que considera mais admirável no povo português?
Miguel Coelho, 21 anos, Lisboa, Sporting


- O saber sofrer em silêncio. Tanta pobreza que existe neste pais, tanto sofrimento, mas, ao mesmo tempo, tanto silêncio. E uma das coisas que destaco no povo português, não tanto pela positiva, é a sua enorme tolerância com a mediocridade e o chico-espertismo. Gostaria que o povo português fosse menos tolerante com os medíocres, com os corruptos e com as pessoas que vivem dos truques para enganar os outros.


- De entre todas as pessoas que conheceu no Mundo do futebol, qual foi a que mais o marcou e nunca esquecerá?
Ana Maria Oliveira, 31 anos, Macau, Sporting


- Destaco duas pessoas. O Carlos Silva, que foi meu treinador no Farense. Aprendi com ele imenso e o seu humanismo marcou-me imenso. E depois o Mladenov, um treinador muito conhecedor e muito adiantado para a sua época. Há trinta anos atrás era um mestre. Era um cientista do treino. Fui seu jogador e seu adjunto. Agora está na moda o bloco baixo, o bloco médio e por aí fora. Há trinta anos atrás, o Mladenov falava-me do “paquetá” e eu sem perceber nada, porque era uma palavra búlgara. “Paquetá” para cima, para baixo. Era o bloco. Aprendi imenso com ele. Um dia, num estágio, ao almoço, um funcionário do Farense agrediu um jornalista. Grande sururu e o velho, de repente, leva as mãos à cabeça e começa a gritar, que lhe doía muito, que lhe doía imenso. Peguei nele, ajudei-o a ir para o quarto, muito cambaleante e assim que chegámos ao quarto, é ele que me empurra para o seu interior e me diz : «Manuel, não me dói nada. Nós não vimos nada do que se passou lá em baixo. Não estávamos lá, não vimos nada. Se querem dar cabo do futebol e da imagem do clube, nós não temos nada a ver com isso». Aprendi imenso com ele.

«O Mundo precisa de figuras como João Paulo II» - Manuel Cajuda

Citar
Católico, Manuel Cajuda confessa querer saber mais sobre o Islamismo. Não pensa converter-se, mas tem o Alcorão na mesa de cabeceira. O técnico diz aos leitores de A BOLA que futebol é futebol, religião é religião. Ou seja... nada de misturas.

- Qual a personalidade Mundial que mais gostaria de conhecer? E o que lhe diria?
Maria Gonçalves, Lisboa, 31 anos, Benfica


- Teria gostado de conhecer o Papa João Paulo II. Admirável personalidade. Se pudesse dizer-lhe alguma coisa, pedia-lhe que não morresse. O Mundo precisa muito de figuras como o Papa João Paulo II. E também tenho uma profunda admiração por Gorbatchov. É verdade que abriu a caixa de Pandora e o mundo está diferente e até mais perigoso. Mas foi a iniciativa de um homem e as suas convicções que permitiram a mudança.

- Acredita em Deus ou usa mensagens espirituais para motivar os jogadores?
José Pedro Pinto, Algés


- Acredito em Deus, mas não misturo as coisas. Deus não tem clube. E as mensagens para motivar os jogadores não passam pelo espiritualismo. Passam muito pelas mensagens certas para os motivar e para os levar a um rendimento melhor. Não meto Deus ao barulho. Não sou Jesus. Estou a brincar…

No Sharjah teve contacto com o mundo islâmico. Pondera procurar saber mais sobre o islamismo e como encararia um possível de convite para aceitar a religião islâmica, como aconteceu recentemente com Abel Xavier?
Imran Mahomed Makda, Maputo (Moçambique), 27 anos, Sporting


- Não está nos meus planos aderir ao islamismo. Mas tenho uma natural curiosidade em saber mais coisas sobre esta religião. Já tenho na minha cabeceira um exemplar do Alcorão. Não estou a pensar em mudar de religião, mas tenho uma curiosidade histórica e também profissional, porque isso pode permitir-me conhecer melhor o ambiente que me rodeia, os jogadores que treino. Tudo é conhecimento e o futebol, hoje em dia, resulta do domínio desse conhecimento. O futebol não tem apenas duas dimensões: a técnica e a táctica. É muito mais do que isso. Tem sido gratificante para mim, este contacto com o mundo islâmico e já mudei algumas ideias em relação ao islamismo, ou melhor, em relação à fé islâmica. Há uma tolerância enorme no exercício dessa fé e uma paz interior, nas pessoas, que as leva a contentar-se com o que têm. É um mundo menos materialista, apesar do Dubai ser uma criação do homem, destinada ao luxo e às grandes fortunas.

Cajuda elogia Bruno Alves, Saviola e João Moutinho, mas o melhor é Alan...

Citar
Os leitores de A BOLA.pt quiseram saber o que pensa Manuel Cajuda do campeonato português; quem são os melhores jogadores; qual o onze da sua carreira; etc, etc. Leia as perguntas e as respostas.

- Concluída a primeira volta do campeonato, que clube apresenta mais possibilidades de chegar ao título?
Joao Vieira, 20 anos, Agualva Cacém, Benfica


- Fácil. Braga e Benfica são, nesta altura, os principais candidatos ao título. Foram as melhores equipas da primeira volta, estão à frente do campeonato e jogam bom futebol. O FC Porto vem a seguir, mas, na prática, são quase oito pontos que tem de recuperar. Os quatro que tem de atraso para o Benfica e também para o Braga. Não é apenas o Benfica que está à frente do FC Porto, o Braga também está. E, portanto, ao FC Porto não basta recuperar quatro pontos para uma destas equipas, porque ninguém está à espera que o Braga e o Benfica percam pontos de forma simultânea. Repito que, nesta altura, os grandes candidatos ao título são o Braga e o Benfica. São as melhores equipas do campeonato, até prova em contrário. E como eu estou feliz em ver o Braga assim.

- Quem é, na sua opinião, o melhor jogador de sempre? E entre os que estão em actividade?
Francisco Alves Porto, 26 anos, Lisboa, Benfica


- O Pelé foi o melhor jogador de sempre, em todo o Mundo. Em Portugal, destaco o Eusébio, o melhor de sempre. Na actualidade, o Messi foi eleito o melhor do Mundo, com justiça, mas acho que o Ronaldo, se não se tem lesionado, teria ganho de novo o prémio. E também gostava de reforçar a minha admiração pelo Figo. Pela sua qualidade como jogador, mas especialmente pela sua classe global. Mesmo depois de ter deixado de jogar, mantém a classe. No campeonato português, para mim o melhor jogador da Liga Sagres é o Alan, do Braga.

- Qual o jogador que lançou que o surpreendeu mais? e pela negativa?
José Pedro Pinto, Algés


- Todos os jogadores que ajudei a lançar no futebol profissional, não me surpreenderam verdadeiramente, porque senti que havia esse espaço para eles no futebol. O Ricardo Rocha, o Quim, o Hugo Almeida, o Pepe, o Tiago, não me surpreenderam. Eu apostei neles, eles apostaram em si próprios, mas tinham o talento e as condições para ser grandes futebolistas, como são. Pela negativa, o jogador que me provocou uma dor muito grande, foi o Rui Esteves. Um dos maiores talentos que conheci até hoje e, no entanto, não chegou ao topo. Não sei porquê, mas o Rui desperdiçou talento, imenso talento. Um grande talento, um grande amigo, que eu gostaria de ter visto tornar-se num grande jogador.

- Qual é para si o melhor jogador de cada um dos três grandes, e qual o melhor do campeonato português?
David Alves, 19 anos, Benfica, Lisboa.


- No FC Porto destaco o Bruno Alves, pela sua importância na equipa e pela sua liderança. Eu gosto de jogadores com liderança, são diferentes e um conforto para um treinador. No Benfica, claro, o Saviola, um jogador fenomenal. No Sporting, gostaria de elogiar dois jogadores. O João Moutinho, porque tem qualidade, muita qualidade e porque é uma máquina de alto rendimento. E também o Miguel Veloso, que é um jogador que aprecio bastante e que parece estar no caminho certo. Muito bom jogador.

- Se tivesse de escolher o melhor onze da sua carreira como treinador, que jogadores escolheria?
Fernando Carlos Marques, 40 anos, Lisboa, Sporting


- Quim (Helton); Zé Carlos, Pepe, Ricardo Rocha e Desmarets; Nivaldo, Tiago e Nuno Assis; Alan, Hugo Almeida e Karoglan.

- Que esperar da Selecção Nacional no Mundial? Quem poderá substituir Pepe caso este não recupere a tempo?
Alcino Furtado, Aarhus (Dinamarca), 30 anos, Sporting


- Acho que a selecção nacional, numa competição curta e com os jogadores em boa forma, pode conseguir um grande resultado. Temos alguns dos jogadores mais disputados do Mundo, temos um bom treinador e temos a situação perfeita para ficar na história do futebol. Em relação ao Pepe, acredito e desejo que a sua recuperação lhe permita estar no Mundial. O Pepe merece, é um grande jogador e uma pessoa incrível. Se pensarmos em alternativas ao Pepe, considero que elas existem e que o seleccionador vai saber escolhê-las.

- Quais os parâmetros mais importantes que procura num jogador e qual acha que é a melhor maneira para mim, um jovem atleta, de alcançar um futuro risonho no mundo do futebol?
Tiago Pedroso, 14 anos, Coimbra, Benfica


- Num jogador, valorizo, acima de tudo a inteligência. Claro, o talento chega primeiro, senão não pode ser jogador de futebol. Mas é importante ser inteligente. É o que marca a diferença entre os grandes jogadores e os bons jogadores. A técnica é importante, é a base, mas a inteligência é o recheio. Um jogador inteligente antecipa as jogadas e antecipa os movimentos. Os seus e os dos outros. Permite-lhe conhecer melhor o jogo, ajuda-o na tomada de decisões. Eu, como treinador, estimulo cada vez mais os jogadores a tomar decisões nos jogos, porque, durante um jogo de futebol, um jogador tem de tomar dezenas e dezenas de decisões. E a inteligência joga um papel fulcral, porque permite ao jogador chegar às melhores decisões. O melhor jogador é o que decide melhor. E por isso, gostaria de lhe dar um conselho. Invista nos estudos, aprenda, seja inteligente. Treine a sua perícia, treina a técnica, faça do treino a sua hora feliz do dia, mas não deixe de treinar a inteligência. E isso apenas se faz, investindo nos estudos. É o que eu aconselho a um jovem que pretenda ser um bom jogador, melhor do que os outros. A diferença faz-se no campo, mas começa a construir-se fora dele.

- Alguma vez teve problemas muito graves com jogadores da equipa que treinava ou com os membros técnicos? O que é que aconteceu?
Joaquim Seabra, 57 anos, Leixões, Lisboa


- Nunca tive grandes problemas, porque a liderança é isso, é submeter, sem dúvidas, os jogadores a essa liderança, mas levando-os a aceitá-la. Eu acredito muito em lideranças partilhadas, mas com limites impostos, porque entendo que uma liderança não se partilha com grupos tão heterogéneos de pessoas. Existem outras formas de envolver os jogadores nas decisões, escutando-os. É importante para um treinador escutar os jogadores, porque isso permite-nos conhecê-los melhor e actuar, muitas vezes, individualmente, na resolução de algumas situações. Mas a minha liderança não se discute. No Vitória de Guimarães, um jogador do plantel pisou o risco e perante uma situação achou que podia resolver um problema de balneário, fazendo queixas ao presidente. Não jogou mais comigo.

«Não foi Portugal que inventou a moda dos naturalizados» - Manuel Cajuda

Citar
Como deve um treinador reagir num jogo que parece perdido? Portugal deve limitar o número de estrangeiros na Liga? Os leitores de A BOLA.pt perguntaram, Manuel Cajuda respondeu.

- Em toda a sua carreira tem alguma palestra especial que guarda religiosamente no seu baú de memórias? Qual e porque motivo?
Nilton Jorge Mota, 33 anos, Porto, Benfica


- A palestra que fiz, em Basileia, antes do jogo com o clube local, da segunda mão da pré-eliminatória da Liga dos Campeões. No dia anterior, várias dezenas de adeptos do Vitória tinham estado à porta do hotel onde estava a equipa a estagiar e vi-me confrontado com histórias lindas de amor à camisola. Lembrei-me desses adeptos no dia do jogo e eles inspiraram a minha palestra aos jogadores. Senti que era uma grande oportunidade de fazermos qualquer coisa diferente nas nossas carreiras. Era o acesso à Liga dos Campeões. E senti os jogadores completamente agarrados. Lembro-me de uma frase que me disseram, após a palestra: «Mister, depois do que eu ouvi, até eu me sinto capaz de ir para o campo e jogar». É verdade, sentia-se no balneário uma atmosfera diferente. Acho que consegui entrar na cabeça deles e encaminhei-os para um nível de confiança extraordinário. Acho que tive a capacidade de fazer com que os jogadores do Vitória se sentissem os melhores e mais capazes do Mundo. Infelizmente, fomos vítimas da batota de um senhor árbitro auxiliar, que decidiu entregar a eliminatória ao clube suíço.

Está num jogo com um grande e encontra-se a perder por 2-0. Como poderá motivar a equipa para ir pelo menos à procura do empate? O que diria aos jogadores?
Rodolfo Fernandes, 25 anos, Oeiras


- Depende de muitas coisas. O primeiro impulso é ir atrás do resultado e da possibilidade de vencê-lo, ou pelo menos, de não o perder. Mas, também pode ser mais importante começar a pensar no jogo seguinte. E se for assim, não forço e tento controlar os danos. Porque, a perder por 2-0, enfrentando uma grande equipa, existe o risco de uma derrota ainda mais pesada e que pode ter efeitos devastadores na motivação dos jogadores. O pior que pode acontecer a um treinador é ter jogadores pouco motivados ou pouco confiantes. O futebol é um jogo, mas tem muito de estratégia. Como digo, depende de como sentimos os nossos jogadores, de como sentimos os adversários, em certas situações mais vale começar a pensar no jogo seguinte.

- Qual a sua posição em relação aos jogadores naturalizados representarem a selecção?
Tiago Marcelos, 19 anos, Sporting, Seixal


- Acho que são um mal necessário. Se as outras selecções fazem o mesmo, porque razão Portugal teria de ser diferente» Pessoalmente, não gosto de jogadores naturalizados nas selecções, porque descaracterizam um valor importante, que é o da nacionalidade e da identificação do jogador com o país que representa. Porém, não foi Portugal que inventou esta moda. Porque isto é uma moda e eu acho que a FIFA, mais tarde ou mais cedo vai ter de intervir. E a nossa selecção tem de competir em condições de igualdade com as outras. Mas não gosto de ver jogadores de outras nacionalidades na selecção portuguesa.

- Acha que deve ser feito algo para limitar a contratação de jogadores estrangeiros para a liga portuguesa?
João Ribeiro, 21 anos, Eslovénia, Benfica

- Acho que sim, mas também acho que é difícil. A FIFA está a tentar fazer o mesmo, a nível mundial, e não consegue, como pode Portugal criar essas limitações? Além do mais, não me parece que os dirigentes em Portugal, à excepção do presidente do Sindicato dos Jogadores, estejam seriamente preocupados com isso. Mas o jogador português devia ser defendido, até como uma espécie em vias de extinção, se tudo continua como actualmente, com os clubes virados para a importação de jogadores. Há medidas propostas mas ninguém faz nada, até porque isso não seria interessante para outros negócios. O Sporting é um exemplo do que podia ser feito pelos outros clubes, mas isso criou-lhe uma situação de desvantagem competitiva em relação aos outros candidatos. Temo que o Sporting abandone a sua matriz de aproveitamento do talento nacional, porque tem sido um farol importante para quem acredita que o futuro do nosso futebol passa pelo jogador português.

- Que treinador adversário mais surpreendeu tacticamente num jogo? Em qual? E ganhou ou perdeu?
Rodrigo Eduardo, 14 anos, Lisboa, Sporting


- Nunca me senti verdadeiramente surpreendido tacticamente. O futebol é muito mais do que a táctica. Não há donos da táctica, ninguém discute a sua paternidade. Senti-me, em alguns jogos, ultrapassado pelos acontecimentos, mas não me senti surpreendido tacticamente.


- Qual o jogo que o emocionou mais e qual o jogo que o deixou mais triste?
Nuno Guedes, 33 anos, Sintra, Benfica


- Não específico um jogo, mas sim uma situação. O que mais me emocionou, em toda a minha carreira, foi o público do Vitória. A minha paixão pelo clube vem daí. Fabuloso. Não sou vitoriano por influência dos dirigentes. Sou vitoriano devido aos seus adeptos. Ninguém fica indiferente a um clube que tem estes adeptos. O jogo que me deixou mais triste foi o de Basileia. Porque fomos roubados e porque o Vitória merecia ter ido à Champions. A própria UEFA devia olhar para o Vitória como um bom exemplo da relação que deve existir entre adeptos e clubes. Custou-me imenso esse jogo, passei várias noites sem dormir. Foi a única ocasião, em toda a minha carreira, em que senti que um acontecimento desportivo afectou a minha lucidez. Durante uma semana, sinto que não fui o mesmo treinador, porque me faltava força interior para lutar contra a desilusão e o sofrimento dos adeptos do Vitória.

filipaopereire

  • Global Moderator
  • Sr. Member
  • *****
  • Mensagens: 312
  • "Tudo vale a pena quando a alma não é pequena" FP
Re: Entrevista a ... (Personalidade Desportiva)
« Responder #14 em: 13.02.2010, 15:50 »

João Manuel Pinto. "O Paulinho Santos detestava o João Vieira Pinto, aliás detestava o Benfica"
por Pedro Candeias, Publicado em 13 de Fevereiro de 2010  |  Actualizado há 22 horas

Passou pelo FC Porto e pelo Benfica e viveu a rivalidade dos dois lados da barricada. Ou da trincheira. "Os clássicos são uma guerra"

Citar
Este é João Pinto. Não confundir com o outro, o João Pinto do FC Porto, com quem jogou, nem com João Vieira Pinto, com o qual não fala desde 2001, depois de lhe ter cuspido na cara. Este não foi um artista mas jogou no Belenenses, no FC Porto e no Benfica. E ganhou oito títulos, todos no Dragão. Quando se fala de túneis e agressões, este João Pinto, o João Manuel Pinto, tem um par de histórias para contar. Na primeira, na segunda e na terceira pessoas.

Que é feito do João Manuel Pinto?

O João Manuel Pinto abriu agora uma escola de futebol aqui, em Tarouca, ao pé de Lamego. E está a correr bem, é uma coisa que sempre quis. Os meus sonhos sempre foram muito pequeninos. E concretizei-os quase todos. Mas também gosto de sonhar pouco [risos].

E o futebol deu-lhe aquilo de que precisava?

Obviamente gostava de estar muito melhor posicionado, como outros grandes craques, como o Rui Costa, e ter ganhado grandes salários [risos]. Mas primeiro a saúde e depois que venha o resto.

Mas teve juízo a gerir o dinheiro?

Sim, sim... Quer dizer, há sempre aquelas coisas da juventude. Sabe como são os jogadores de futebol com os carros de grande cilindrada. E eu não fugi à regra, não é? Comprei o meu Porsche Turbo - lá está, outro sonho desde pequenino, mas este era um sonho grande - quando fui para o FC Porto, em 1995.

Tinha 22 anos e vinha do Belenenses nessa altura. Como foi chegar ao FC Porto?

Fui muito jovem para o FC Porto e chego lá e vejo grandes jogadores, símbolos, mitos do clube. Dias maravilhosos com títulos, festas. O Jorge Costa era o maior, impunha as regras, profissionalismo, sempre a querer levar o clube mais longe. Mas o Paulinho, o André, o João Pinto... enfim... Está a ver a gama, não está? Foi um prazer aprender lá.

Foi Bobby Robson quem mais o marcou?

Sempre com um sorriso. Não era só o trabalho, mas o prazer que nos proporcionava a trabalhar. Divertíamo-nos. Eu era uma espécie de arma secreta dele, entrava a ponta-de-lança para marcar golos por ser alto. E a coisa dava resultado! Ele tinha um feeling especial para as substituições. O Bobby tinha arte no que fazia. As expressões... [risos]. Não falava bem português e dava-nos para rir. Era um treinador engraçado.

E porque é que o Jorge Costa é o Bicho?

Eh pá, por ser forte fisicamente, um comboio. Naquela hora e meia jogava a vida.

O João ganhou oito títulos e foi parar à equipa B. Como é que isso aconteceu?

Políticas, empresários - e o jogador às vezes é apanhado no meio. Havia uma rivalidade forte entre o meu manager, que era o Veiga, e o presidente Pinto da Costa - e paguei eu. Confiava no Veiga e, quando chegavam propostas do estrangeiro ao FC Porto para me contratarem, ia sempre dizendo que não, a conselho dele. "Não faças isso porque tenho outros interessados."

Arrependeu-se?

Temos segundos para decidir a vida. Não sabia o que fazer. Se previsse, teria escolhido sempre a opção certa.

Está-me a dizer que escolheu a errada.

Obviamente que não foi uma opção muito boa para mim, mas acabei por ir para o Benfica.

E como é que isso se processou?

A seis meses de acabar o contrato, recebi uma proposta do Sporting, porque o Veiga dava-se bem tanto com o Sporting como o Benfica. Mas a escolha foi do meu empresário e eu acabei por concretizar um sonho (este dos grandes!) porque sempre fui benfiquista! Era uma coisa de criança, mas perdi dinheiro.

E o FC Porto pagou-lhe o que devia?

Sim, sim. Não cumpriram comigo durante três meses por causa das politiquices, mas ficou tudo resolvido.

Chega ao Benfica e a capitão de equipa.

E em apenas seis meses! Foi tudo tão rápido... O Meira, que era o capitão, tinha ido para a Alemanha e o Enke, o capitão seguinte, deixou de jogar pelo Benfica. Depois era o Drulovic e eu na hierarquia.

E caiu bem no balneário? Afinal de contas, eram dois ex-FCP com a braçadeira.

Havia três... Três, não! Quatro, eu, Argel, Zahovic e Drulovic. E viemos para um clube que estava em reconstrução. Tinha tido aquele presidente que fez o que fez [Vale e Azevedo]. Quando entrei no Benfica fiquei de boca aberta com as condições do clube. Estava em cacos!

Mas em pouco tempo passou de titular e capitão a suplente.

Quando saiu o Jesualdo... O Chalana, no jogo de transição, põe-me de fora e o Miguel, que na altura não era este Miguel, a lateral. E o Camacho a ver aquilo da bancada. Pronto, a equipa ficou praticamente feita [3-0 ao Braga]. O Camacho trouxe cheiro a balneário e respeito.

Não havia respeito por Jesualdo?

Houve momentos em que alguns jogadores faltaram ao respeito. Ele não estava bem apoiado, sozinho a levar um barco. Tinha meia dúzia de jogadores com ele e o resto estava contra. Eu era um dos que estavam com ele.

E quem é que não estava com ele?

Não posso dizer.

Nem um?

[silêncio] Conhecemos o temperamento do Argel nos treinos, nos jogos. Obviamente que era um dos que não estavam com o Jesualdo. A gente nunca pode dizer nomes, mas basta ver quem jogava e não jogava. Quer dizer, depende. Há futebolistas que não sabem ficar no banco, como suplentes. Quando cheguei ao Benfica havia jogadores com a meia em baixo, sem caneleiras. Eh pá, por amor de Deus! O treino tem de ser um reflexo dos jogos. E às vezes entrava com uma certa dureza, para eles perceberem que não era assim. "Eh pá, olha aí que isto é um treino", diziam-me. E eu respondia-lhes: "Vai pôr caneleiras."

Por falar em caneleiras... Agora, no futebol português fala-se mais de túneis e de agressões do que em tácticas. Lembra-se do caso Weah?

Havia sempre alguns empurrões aqui e ali. Mas só estive realmente envolvido numa rixa horrível no célebre FC Porto-Milan [20 de Novembro de 1996, 1-1] nas Antas. Foi violento. Aquilo vinha de trás. O Jorge tinha pisado o Weah lá em Milão [3-2, para o FC Porto]. Todos vieram dizer que o Jorge tinha chamado "preto" ao Weah, mas conhecendo o Bicho não acredito nisso. O que aconteceu lá em Milão foi que o Jorge lhe pisou o dedo. E isso toda a gente sabe que foi de propósito. O Jorge era muito frio e físico, e o Weah teve o azar de ter marcado o golo e ter ficado no chão. O Jorge saltou e pisou-lhe o dedo, e o dedo ficou muito feio [risos]. No túnel das Antas foi tudo muito rápido e planeado pelos italianos. O treinador deles [Oscar Tabarez, uruguaio] fez um sinal ao Rossi para ir rapidamente para o túnel - e ele era grande, pá, nunca vi um guarda-redes tão grande como aquele homem! - e o Weah logo a seguir. O Jorge, inocente, não reparou. E quando olha para trás, o Weah manda-lhe uma cabeçada. Só vi o Jorge voar dois metros no túnel. E depois foi o que foi. Andámos todos ali à porrada.

E quem é que deu mais?

Só tive pena do [Edgar] Davids, coitadinho. Estava ali a querer serenar as coisas e foi o que levou mais.

Mas o João Manuel também teve os seus momentos. Como aquele com o João Vieira Pinto, quando um estava no Benfica e outro no Sporting.

Assumi a culpa. São coisas que não se deve fazer. Cuspi-lhe na cara e não o devia ter feito. Mas acredite que fiquei muito chateado com o João no último dérbi em casa, no velho estádio da Luz (2-2, 15 de Dezembro de 2001), quando ele disse aos jornais que eu devia ter sido expulso por ter dado muita porrada. O que é mentira, é só ver o vídeo! E eu disse para mim: "Para a próxima, cá te espero!" No jogo de Alvalade [1-1, 7 de Maio de 2002] andei o tempo todo à procura dele e não consegui ter nenhum contacto físico com ele... O treinador [Bölöni] pô-lo nas linhas e eu nunca consegui apanhá-lo a jeito para lhe dar uma fruta e lhe dizer ao ouvido algumas que não ficaria bem dizer aqui. Depois cuspi-lhe na cara e não o devia ter feito. No final do jogo tentaram apanhar-me, mas nós ficámos a bater palmas ao público e tal. Nunca mais falei com o João, nem ele tem nada de que falar comigo.

Então e no FC Porto como era ver os jogos com o Benfica e assistir ao clássico Paulinho Santos-João Vieira Pinto?

Não era nada fácil. O Paulinho era um jogador muito violento, queria ganhar tudo. Eu ria-me com aquelas coisas. Não aceitava, mas pronto - os clássicos são uma guerra. O Paulinho detestava o João. Perdão. O Paulinho detestava o Benfica e detestava o João por este ser o melhor jogador do Benfica na altura. Ele ia para a guerra com o objectivo bem definido: dar no João Pinto. Transformava-se noutra pessoa. E ninguém lhe podia dizer nada para o tentar acalmar porque senão ele ainda ficava chateado connosco!


CUMPS FILIPAO ;)